20 agosto, 2010

Vela

Olá irmãos de Fé!

Um dos símbolos muito utilizados na Umbanda são as velas. A vela ou candeia é uma fonte de luz que consiste tipicamente num pavio inserido num combustível sólido, tipicamente cera. A função do pavio é ser queimado no intuito de produzir fogo, e este, por sua vez, iluminar o ambiente. Além da cera, existem outros combustíveis que podem ser utilizados, como o azeite e outros óleos vegetais. 

Sua utilização dentro dos rituais umbandistas não está ligado ao fogo material que vemos irradiando, mas sim, ao fogo etérico que se projeta a partir da mesma e que realiza toda uma ação de purificação no ambiente, pessoa ou sítio espiritual onde for direcionado. Na Umbanda, o uso da vela branca é o mais frequente, devido à sua representação como símbolo da pureza, a cor branca na Umbanda é a cor do Orixá Oxalá. A chama da vela é a conexão com o Astral Superior, a parafina o símbolo da vontade e o pavio a direção.

Desde tempos imemoriais, as velas tem sido fonte de luz e símbolo de conforto para o ser humano. O ato de acender a vela para uma Entidade é a forma de ativar seu pedido e levá-lo para o plano etéreo, a vela queimando é uma forma de ligação com um Ser Superior. As velas tem a função de agentes focalizadores mentais e são eficientes na concentração ou mentalização.

O uso das velas nos rituais religiosos começou quando o homem primitivo percebeu que era possível iluminar as suas cavernas. Com a sua moradia iluminada, era possível agradecer aos céus por uma boa caçada ou uma colheita farta, e até mesmo pedir auxílio, bênção ou perdão. A chama brilhando no escuro da caverna significava a própria presença de Deus.

Lembrando que aqui no Brasil, até a década de 60, somente existiam velas brancas, por isso, não devemos esquecer que, sempre o mais importante na comunicação com o Astral Superior, não é a cor ou formato da vela, mas sim a sua fé!


Devemos sempre ficar atentos aos cuidados de segurança necessários quando manipulamos as velas em nossas casas e ambientes externos evitando acidentes e incêndios, a Umbanda respeita a natureza e seus filhos devem dar o exemplo as novas gerações de Umbandistas. 


Sempre ressaltando que a nossa disposição de mudança e crescimento interno positivos, associado a nossa fé, são os ingredientes em maior quantidade na receita das vitórias de equilíbrio e harmonizações espirituais. 


Velas utilizadas para os pedidos de auxílio, harmonização 
e agradecimento aos Orixás e Entidades Espirituais:


Anjo da Guarda: vela branca - utilizada para energizar e equilibrar a aura e desenvolvimento da concentração.


Oxalá: vela branca - utilizada para auxílio de ordem geral, harmonia, paz, equilíbrio, elevação espiritual.


Iansã: vela amarela - auxilia na comunicação, na formação das idéias,  fortalece o raciocínio e a lógica,  intelecto, criatividade, unidade, trazendo o poder da concentração. Estimula os estudos, traz de volta a alegria, a vivacidade, a leveza para a vida. 


Criança: vela azul ou cor de rosa - utilizada para fazer pedidos para a saúde, proteção de crianças e harmonização.


Iemanjá e Oxum: vela azul - utilizada para fazer pedidos para gravidez, harmonia no lar e proteção dos filhos. Traz serenidade e clareza mental. Promove a paz de espírito, ternura, carinho e a tranquilidade. Recomendada para reduzir o stress,  a ansiedade. Produz climas favoráveis para reconciliação e entendimentos entre as pessoas.


Oxóssi: Vela verde - utilizada para fazer pedidos para saúde e descoberta de caminhos, limites. Representa as energias da natureza e simboliza a renovação, saúde, crescimento, uma vida nova.


Ogum: Vela vermelha - utilizada para fazer pedidos para situações difíceis, demandas, proteção pessoal, dinamismo, força, coragem. Traz energia a todo o corpo, favorece o aumento da força de vontade, as conquistas e auto estima.


Xangô: Vela marrom - utilizada para fazer pedidos com relação a justiça, harmonização onde haja desonestidade, apaziguar o mau gênio das pessoas, tolerância, paciência. traz a pessoa a realidade e a deixa com os pés no chão.


Nanã Buroquê: vela roxa/lilás - utilizada para fazer pedidos para abertura de caminhos, paciência, persistência. Encorajamento ao perdão e principalmente o auto perdão.


Omulu: vela branca ou preta e branca - utilizada para fazer pedidos de saúde principalmente nos casos de regeneração e transformação e nos trazer a consciência Kármica.


Pretos Velhos: vela branca ou preta e branca - utilizada para fazer pedidos de ordem geral, desde que não causem prejuízos a outras pessoas. Favorecendo o crescimento da força de vontade, resignação e a educação do espírito.


Baianos: vela branca ou amarela - utilizada para fazer pedidos para abertura de caminhos, situações difíceis e desentendimentos em geral.


Boiadeiros: vela branca - utilizada para descarregos.


Marinheiros: vela branca ou azul - utilizada para curas espirituais em harmonia com a Linha de Iemanjá.


Ciganos: velas coloridas - utilizadas para fazer pedidos para bem estar pessoal e social, sentimental, saúde, equilíbrio mental, físico e espiritual.


Caboclos: vela branca/verde - utilizada para pedidos de saúde e harmonizações afinizadas com o Orixá da Falange a qual ele pertence.


Linha do Oriente: vela cor de rosa, amarela, azul clara, laranja e branca -  utilizada para fazer pedidos para curas físicas, emocionais e espirituais.  


Exus e Pombagiras Guardiões: vela branca ou preta e vermelha -  utilizada para corte de demandas e abertura dos caminhos nos redirecionando à Lei do Equilíbrio.


Almas: vela branca - deve ser acesa numa Igreja, Terreiro, Capela ou Cruzeiro das Almas e nunca em casa.


Irmãos, estas cores não são padrão em 
todos os Terreiros e Tendas de Umbanda. 

Com orgulho e alegria de ser Umbandista, Saravá/Namastê!